Nos últimos anos os fãs da Marvel Comics passaram por poucas e boas, graças a decisões questionáveis da sua cúpula editorial, capitaneada por Axel Alonso, substituto do não menos complicado Joe Quesada.

Nesse período vimos os mutantes, outrora a mina de ouro da editora, rebaixados até praticamente sumirem da lista de títulos. O motivo? Uma birra infantil com a Fox. Para “substituir” os pupilos de Xavier foram colocados em evidência os Inumanos, equipe bem menos conhecida e que vem sendo forçada goela abaixo dos leitores. Justiça seja feita, há histórias boas mas nada que chegue perto do material publicado dos X-Men, o time principal do universo mutante.

Mas não foram apenas os mutantes que padeceram… O Amigão da Vizinhança também foi e continua sendo bastante judiado dentro da sua casa. O Homem-Aranha, principal nome da Marvel, merecia profissionais à altura de sua importância comandando seu título. Dan Slott felizmente está deixando o personagem e isso é motivo de louvor, mas foi muito tempo para uma editora que teve/tem Mark Waid, Warren Ellis, Jason Aaron e o próprio Bendis. Que haja vida boa para o aracnídeo em novas mãos.

Justiça seja feita, houve acerto. Esse acerto atende pelo nome de Thor, por Jason Aaron e Esad Ribic, simplesmente o melhor material da Marvel nos últimos tempos. E é justamente a dupla Aaron/Ribic que apresentou ao mundo recentemente a iniciativa Marvel Legacy.

Marvel Legacy é um resgate da essência da Marvel em seus primeiros anos, o que é um tremendo acerto. Quem conhece a história da editora sabe que entre os anos 60 e 80 foi produzido o material fino do estúdio e os fãs sentem falta daquelas histórias aventureiras, com mensagens de otimismo tão características dos quadrinhos Marvel no período. As publicações retornaram à numeração original e foi lançado um especial chamado ‘Marvel Legacy #1’, que deve chegar no Brasil em 2018. Nele, vemos uma equipe de Vingadores da pré-História (estranhei demais isso mas vamos ver) e o retorno à vida de alguns personagens amados pelos fãs. Nunca é demais ressaltar o trabalho de Jason Aaron, que conduz a narrativa muito bem e sobre a arte de Esad Ribic, nada a declarar. Todos já sabemos a qualidade absurda do artista.

As primeiras críticas a Marvel Legacy foram bastante positivas e dada a atual situação da Marvel nos quadrinhos essa é uma ótima notícia para nós, fãs de carteirinha. Pra não ser injusto demais com a atual fase, tenho de reconhecer que há boas histórias sendo publicadas aqui no Brasil, como Doutor Estranho, Velho Logan, O Indigno Thor e A Poderosa Thor. Espero que o nível seja mantido nessa nova era da Marvel Comics nos quadrinhos.

Em tempos de rivalidades imbecis sendo incentivadas nas redes sociais, é muito bom ver a Marvel reagindo onde ela é mais importante para os seus fãs, que são os quadrinhos. Todos nós queremos boas histórias do Homem-Aranha, do Hulk, dos X-Men, dos Vingadores e por aí vai. Que a iniciativa Marvel Legacy prospere e dure por anos e anos.

E o Quarteto Fantástico? Volta ou não volta?

Quem sabe… Vamos aguardar!!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário