Com o final da série do Batman estrelada por Adam West e Burt Ward em 1968, e o desgaste da figura do Homem Morcego na mídia, criadores como Denny O’Neil, Neal Adams, Irv Novick, Dick Giordano e o editor Julius Schwartz, começaram a preparar o terreno para uma revitalização do personagem, que nada mais era que uma retomada às origens sombrias do Morcego, comuns na década de quarenta, mas desfeita em 1954 pelo Comics Code Authority (CCA) e pelo tom cômico da famosa série de TV. A tendência de (re)tornar o Batman sombrio e obcecado teria um impacto forte no modo como as histórias seriam contadas, mais voltadas para relação do personagem com a cidade que o cerca e os indivíduos inseridos nela, principalmente os policiais. Postura essa que teve seu auge com a publicação de O Cavaleiro das Trevas de Frank Miller em 1986.

Essa convenção editorial de trazer os grandes criadores da época para compor histórias do Cruzado de Capa trouxe bons frutos, realmente dá a impressão que o Batman é o super-herói que agrega muita das melhores histórias já feitas nesse universo, a lista é grande: Asilo Arkham, Gothic, Descanse em Paz de Grant Morrison, A Piada Mortal de Alan Moore, Ano Um de Frank Miller, a fase de Jim Starlin (inseridas As Dez Noites da Besta, O Messias e Morte em Família) dez entre dez listas da internet citariam essas histórias. Alguns ainda acrescentariam Silêncio, Fugitivo, O Longo Dia das Bruxas e até A Queda do Morcego, embora essas últimas eu passe.

Gotham Central

A surpreendente ausência nessas listas é Gotham Central, que no Brasil saiu pela primeira vez como Gotham City Contra o Crime e por fim com o nome Gotham DPGC (Com destaque no nome Gotham para o leitor fazer o paralelo com a série de mesmo nome). Escrita por Ed Brubaker em parceria com Greg Rucka, Gotham Central é uma daquelas pérolas dos quadrinhos que não se vê com facilidade no gênero, uma narrativa que conta com o papel central dos policiais de Gotham com destaque aos agentes da UCH (Unidade de Crimes Hediondos). Nas mãos de autores menos habilidosos poderia ser mais uma série onde os policiais só aparecem para incrementar um pouco mais uma história do Batman. Aqui vemos os detetives resolvendo crimes, discutindo por horas extras, problemas familiares e ainda lidando com malucos superpoderosos e melhor ainda, com a quase completa ausência do Homem Morcego.

Batman se torna um coadjuvante, sob o ponto de vista dos policiais de Gotham, suas motivações e sanidade são discutidas pelos personagens, alguns confiam, outros não, muitos acham que o Departamento só resolve os crimes que não interessam ao vigilante, nesse clima vão se desenrolando roteiros que mostram o dia a dia da luta contra o crime das pessoas comuns do universo DC, mas sem descartar os personagens clássicos do universo do morcego, que são vistos em sua relação intrínseca com o povo de Gotham e não só com o Batman como estamos acostumados a ver.

Vejam o diálogo

Alguns plots dessa série foram usados inclusive no filme Cavaleiro Das Trevas do diretor Christopher Nolan, na verdade o filme de Nolan capta muito da essência de Gotham Central, ou seja, a luta travada entre pessoas para fazer uma cidade funcionar. Incrivelmente nos Estados Unidos a série foi pouco percebida pelo publico, apesar de ter sido muito aclamada pela critica especializada e indicada a vários prêmios. No Brasil se deu da mesma forma.

A hq é uma daquelas oportunidades de ver uma equipe criativa em completa sintonia. Ed Brubaker é famoso por uma grande produção voltada à literatura policial, entre seus trabalhos se destacam a série Criminal, Capitão América, Demolidor, Mulher Gato, atualmente escreveu os roteiros da série da HBO Westworld. Greg Rucka, por sua vez, conta, entre outros trabalhos, com Whiteout — que foi adaptado para o cinema e com uma fase da Mulher-Maravilha muito elogiada pelos leitores.

Michael Lark é o outro elo dessa corrente e é conhecido por seus desenhos em Demolidor, Capitão América e Terminal City, seu traço lembra muito o mestre David Mazzucchelli. Para quem quer tirar férias de histórias repetitivas com saídas fáceis, Gotham Central é uma ótima oportunidade, aproveitando que a Editora Panine está lançando quarto e último volume da série chamado Corrigan, apresentando um final desolador em uma cidade angustiante.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário